POSTAGENS

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

POR QUE SOMOS INSATISFEITOS?

                                                                                                               Estive pensando:
"Por que somos assim tão imaturos, imperfeitos, impacientes, descontentes e gananciosos? Por mais que façamos o bem, queremos ser reconhecidos, retribuídos e aplaudidos! Por mais que façamos o mal, queremos justificar nossos atos, demonstrar inocência e alegar insanidades, como se não fôssemos imperfeitos! São os males que afetam o ingrato - o da insatisfação e o do pretexto - que vivem se repercutindo, se perpetuando e se multiplicando!
Então digo-vos: Será assim todo o tempo?
Nossa função é zelar pelo corpo, administrar planos, estudar projetos e consolidar sonhos! Tudo que fazemos debaixo do sol tem fundamentos e propósitos, em prol daquilo que nos seja essencial para a existência! No entanto, as coisas que almejamos, selecionamos e esperamos, quando alcançadas, nunca se limitam à teoria inicial ou a nossa vaidade! Sempre queremos mais, em maior grau, em melhor qualidade e em quantidade de número! Vivemos assim, dando cambalhotas e nos questionando, aguardando sempre pelo que virá depois! Somos insatisfeitos, totalmente ansiosos e desesperados! Somos compulsionalistas, totalmente apreensivos e preocupados!
Não sabemos nos controlar, e muito menos nos contentar com os progressos anteriores! Nosso "hoje" anseia pelo "amanhã", esquecendo sempre o que pedimos "ontem"!
Provemos de desculpas esfarrapadas e de pretextos, procurando nos isentar do fator "desespero", ao qual sempre negamos, repudiamos e rejeitamos, achando não nos encaixar!
Pense bem: Se o que pedimos foram bens, então não tivemos a capacidade de nos esforçar para alcançá-los? Diante do nosso profissionalismo, então não nos dispusemos a estudar, conhecer e aprender o ofício?
Então, se tudo que alcançamos por meio de esforços não foram suficientes, por qual motivo deveríamos lutar ou nos orgulhar? Estaria certo reivindicarmos novas ganâncias em prol do nada ou daquilo que nunca nos agradará?
Sinais de insatisfações são revelados diariamente, mesmo quando se consegue um, dois ou meia dúzia de resultados alcançados! Pior seria se fôssemos frustrados diante deles! Isto é a prova viva daquilo que poderia ser diferente, que, para a nossa decepção, infelizmente não é!
Por que somos assim tão impulsivos, gananciosos e mal agradecidos?
Nossos instrumentos são nossas leis, nascidas do nosso ego, do nosso orgulho, do nosso interior, dos nossos conceitos e do nosso vazio! Por mais que nos esforçamos, sempre manifestaremos desejos novos, indo além a outros e outros e outros, esquecendo-nos dos benefícios nos concedidos há tão pouco tempo!
O fato é que esquecemos que a vida corre e passa rápido, e que estamos girando e contorcendo o tempo todo, como uma corrente ininterrupta, contínua e constante! Isso é um contágio, uma procriação direta, que nos faz sentir irremediavelmente perdidos!
Deveríamos conter a aflição, aniquilando tudo aquilo que nos tem atormentado! Isso é bom! Temos que parar para respirar, a fim de que não fiquemos doentes ou fracos! Além de que, doentes não podem ajudar doentes, e nem tampouco conseguem customizar seus próprios passos! Por isso, temos que nos tranquilizar, nos contentar e retribuir sempre com agradecimentos! Isso alivia a alma e traz refrigério ao espírito!
Criarmos novas metas e novos ideais é sempre bom, desde que não ultrapassemos limites ou inventemos coisas desnecessárias, ilusórias ou confusões! Não devemos ficar o tempo todo nos consumindo, nos estragando e nos deteriorando com interrogações ou com coisas repetidas! Fiquemos bem com as coisas que temos hoje! Deixemos que o amanhã seja conquistado depois, em ordem, qualidade e total disciplina! Vamos sair da insatisfação e ingressar para o contentamento!
Lembrem-se que tudo que é bom se faz vantajoso, dá prazer e nos proporciona alta lucratividade! Do contrário, tudo gananciado, insaciado, ambicionado e impulsionado não tem valor algum! Simplesmente desbota, perde o brilho, desagrada e corrompe imaginações!!"
                                                         Gláucia Cardoso